Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Miliuma

insónias | ideias | publicações

#130 gula - ep.11

 

Este será provalmente o post mais pequeno que já escrevi. Mas não há problema, é um keep it simple mais que justo.

A atualização sobre este maravilhoso espaço virá em breve, certamente.

 

Bulgur. Sim, eu, a fã do bife tártaro e dos magrets de pato, pedi bulgur e comi das refeições mais deliciosas do ano.

Simples, barato, bem servido, bem frequentado. A Sagrada Família tem mais uma fã, ateia e carnívora.

Tenho a dizer que: o Bulgur vinha enfeitiçado, pois desde então não páro de pesquisar sobre comida vegetariana.

Bulgur, vou ter voltar para ti, querido. 

 

sagrada familia alfama miliuma.jpg

 ©lifecooler.com

 

Água na boca?

Aprendam a cozinhar bulgur aqui!

 

Sagrada Família Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

#129 costa alentejana e vicentina III

Capítulos anteriores:

Costa Alentejana e Vicentina - parte I

Costa Alentejana e Vicentina - parte II

 

herdade-da-matinha-helena-canhoto-miliuma.jpg

 

Chegamos ao Cercal do Alentejo e num instante nos aparecem as placas para a Herdade da Matinha. Atenção à estrada, depois de entrarmos na herdade e até chegar às casas (são dois edifícios), vai um caminho louco que não gosta de carros rebaixados ou aceleras. Passamos por cavalos e lembramo-nos da nossa experiência no Oeste, têm sido viagens repletas de coisas boas, realmente. E a Matinha, carinhosamente tratada, foi surpreendente e das melhores experiências deste ano. Estacionado o carro, uma ponte até à casa-mãe, onde fica a recepção.

 

#116 gula - ep.6

 

Outra vez a falar sobre comida, alimentação, gastronomia, gula?

Pois a semana passou a correr e eu faço por manter esta rubrica semanal, ainda que não tenha tempo para mais nada, nomeadamente ir buscar a roupa à costureira que é a oitenta metros de casa.

 

© fotografia: OBSERVADOR 

 

El Clandestino, no Príncipe Real. Não tenho fotografias bonitas para apresentar da minha autoria, mas tenho um bouquet de sensações ainda presentes. El Clandestino pode anunciar-se no Zomato como mexicano - peruano mas, para mim El Clandestino foi o melhor de Cuba que já tive em Lisboa. 

 

 

 

 

#89 arroios também é lisboa

 

Ali estávamos os dois amigos, sozinhos, agraciados por copos de vinhos incríveis, apresentados pelo dono do Great Tastings, enquanto partilhávamos tártaro de atum com molho de wasabi, vieiras braseadas, crocantes de alheira e pratos de queijo com uvas. O Chef veio à mesa perguntar se estava tudo do nosso agrado.

Conversámos. Por mim, teria juntado toda a equipa na nossa mesa e jantava com eles. Só que o Great Tastings não é no meio dos turistas, nem à frente de uma paragem de tuk tuks. Não é no Príncipe Real, no Intendente ou na Praça das Flores. É no Jardim Constantino, lindo, ao lado da linda fonte da Estefânia. E aí só vai quem conhece Lisboa.

Eu, que conheço um bocadinho de Lisboa, vou lá.

 

 

Great Tastings Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

#76 tudo sobre a ilha do sal - parte 2

 

CONTINUAÇÃO DA PARTE 1 

 

Quando voltei definitivamente para Portugal (definitivamente terá sempre um ponto e vírgula), há três anos, comecei quase de imediato os ensaios para uma peça que esteve no falecido Teatro Rápido do Chiado. Não, ainda não vimos o dinheiro que nos pertence. Bom, não tivesse estado na peça e a fazer produção cultural numa empresa que me ficou a dever ainda mais zeros que o teatro, e teria havido a (quizas remota) hipótese de integrar a produção de uma série chamada Sal, que iria ser gravada maioritariamente em Cabo Verde. As coisas não aconteceram assim, mas as quase-coincidências também ficam na memória. Nessa série, como actor, participou um tipo que é hoje dos meus melhores amigos. Produziu-a a minha actual sócia de uma coisa que lançaremos em 2017. E as sintonias continuam. Na série Sal, esse meu amigo interpretou a personagem “Emídio”, um homem que arranjava tudo o que era necessário a quem chegasse ao Sal, uma espécie de facilitador, um português simpático, dos que conhece toda a gente e o que é de melhor na ilha.

 

Há umas semanas, jantámos num restaurante com espectáculo de Burlesco na rua do poço dos negros, onde lhe disse que finalmente tinha escolhido o destino das minhas férias e que me tinha decidido pela ilha do Sal. Ele disse, fala com o Emídio, ele ajuda-te em tudo. Ri-me, claro. Sim, levas a tua personagem e ele que trate de mim. Não, Helena, há mesmo um Emídio, a minha personagem é real – disse o JC. Não queria acreditar, a viagem estava a ser deliciosa ainda antes de começar.

 

 

#73 muda

 

Naquela noite chovia como há muito não via chover assim na minha invicta cidade. Demorámos duas horas para fazer três quilómetros, estacionar e atravessar meia dúzia de ruas de guarda-chuva em punho até à Rua Cândido dos Reis. A tempestade ainda amena, as luzes desfocadas a recortar os clérigos, a solidariedade dos portuenses habituados a outonos assim. À custa dessas duas horas, eram 23h30 quando sacudimos a água dos sobretudos e procurámos um lugar para jantar. Quase todas as cozinhas fechadas. Como quase sempre que eu e a J. jantamos fora, há um contratempo que nos leva a conhecer um espaço surpreendente.

 

Bar em baixo e restaurante em cima. A maître d' uma grande beleza e simpatia, prontificou-se a falar imediatamente com a cozinha no piso de cima para ainda tentarem servir-nos.

E assim me saboreei com as melhores asinhas de frango de sempre. Bebi uma cerveja deliciosa e continuei a petiscada, terminando por um merengue descontruído que, a nosso pedido, foi regado indulgentemente a caramelo salgado (que habitualmente acompanha o brownie de chocolate).

O tamanho das doses é perfeitamente adequado ao preço, a garrafeira é maravilhosa e a decoração é perfeita, em cortiça escurecida - o que, naturalmente, torna a acústica muito mais agradável a noites de conversas e grupos maiores.

 

Não levei a máquina fotográfica mas aguardo a nova carta de inverno e aí não faltarão ilustrações das delícias. Para não haver dúvidas, é aqui: Rua de Cândido dos Reis, 64, Porto - 22 3195057

 

© do site luzesom.pt 

 

Muda Restaurante-Bar Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

#17 parte II - comida e amor

 

(continuação de parte I - amor e comida)

 

O Miguel Somsen também consegue passar horas a falar da sua relação com a comida, e da comida com os portugueses e com as diferentes culturas.

 

No meio de mais uma conversa sobre este tema, falámos das nossas descobertas minimamente recentes (meia dúzia de anos, vá) sobre a forma como comemos dependendo da bebida que acompanha o prato. E eu dizia-lhe que não queria ir a um restaurante michelin pagar um menu de degustação para pedir um vinho só, porque esse vinho não iria acompanhar igualmente todos os pratos servidos; portanto, também teria de pedir um menu de degustação de vinhos para acompanhar e, para isso, vou ter esperar mais uns tempos para poupar a quantia certa. Ou então, bebo água, que essa não condena o sabor.

 

O Somsen gosta muito de vinho, mas é o senhor do Gin. E se houvesse um jantar de degustação de cozinha de autor acompanhada por degustação de gins como complementos (ou até potenciadores) de cada prato? Há:

 

 

#13 viva lisboa

 

Podia ser seguido de um “viva!”. Já cá estou há quase treze anos (com inúmeras interrupções de meses a fio pelo meio) e gosto cada vez mais de morar em Lisboa. Mas, na verdade, esta 13ª publicação é sobre um restaurante na Rua Dona Estefânia. Não muito fácil de encontrar porque está no Hotel Neya e, bom, eu não sabia que estava no Hotel. Quem ler este texto, encontrará num ápice.

 

Visitei o Viva Lisboa na semana do Restaurant Week. Por vinte euros, sem bebida, era suposto comer aquilo que não se comeria por menos de uma avultadíssima quantia numa outra semana normal. Ou, pelo menos, esse é o conceito.