Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MILIUMA

insónias | ideias | publicações

MILIUMA

#126 costa alentejana e vicentina I

 

setuballuisatodi.jpg

 

Mudou de emprego e teve menos de uma semana de pausa entre um e outro. Eu corri a bloquear esses dias para me poder escapar daqui. Não convinha voar para lado nenhum, íamos perder horas em aeroportos e viagens e o importante, o realmente importante, era estarmos juntos e fora de casa, num lugar qualquer que não fosse nosso, onde pudéssemos respirar. Antes, há uns tempos ou talvez apenas antes desta viagem, pensava que só sentiria férias se passasse a fronteira e recebesse a mensagem com a tarifa do roaming. Acabou-se o roaming e, com ele, acabou-se o meu preconceito - fui conhecer a costa alentejana.

 

 

#114 o salvador (sobral) de portugal

 

©Reuters

 

Pelo meio de tantas vidas normais, surge a voz de um jornalista da RTP a relatar o concurso da Eurovisão e a vibrar-lhe a voz cada vez que pronuncia: Salvador. Apaixonado pelo nome, pela pessoa, solta leves risadinhas nervosas quando a câmara aponta para o concorrente e este está de óculos e uma expressão cómica, concentrada e visivelmente inocente.

 

Salvador é o Salvador de Portugal, é a nossa essência de cauda da Europa, de país que não quer entrar em guerra, de nação virada para o mar. Nós, que só queremos abraços e amor e primavera e música bonita na nossa língua, melancolia e sorrisos ternos, abandonámos em conjunto e sintonia as nossas vidas normais para nos emocionarmos com o Salvador, irmão da Luísa. Demos as nossas mãos em filinha pirilau e chegámos juntos a Kiev, numa emoção limpa, sóbria, sem os gritos e as litrosas dos jogos da selecção nacional mas com igual contentamento genuíno. É isso que amamos em nós, às vezes pacóvios mas mais vezes genuínos. Salvador de Portugal é genuíno e é o homem mais amado do dia de hoje. 

 

Parabéns, rapaz. Hoje percebi o porquê de tanta efervescência.

 

#97 dia pessoal do teatro

 

Não é falta de interesse meu pelo teatro, não. É um amor a resolver, este entre mim e o teatro, uma tesão adiada que vamos ter de concretizar - e guardo no peito a esperança que daí comecemos a namorar para o resto da vida. 

 

 

No outro dia, fui assistir a “Encontrar o Sol” - de Edward Albee, com encenação de Ricardo Neves-Neves - no São Luiz. No fim, os actores conversavam com o público e uma senhora, às tantas, decide expor que considera que nós, actores, artistas, nos queixamos muito - que ela teve uma empresa que quase foi à falência durante a crise e ela pôs mãos à obra e construiu tudo do zero, de novo, com sucesso. Queixamo-nos muito e devíamos era fazer e, já agora, devia haver mais sessões porque realmente assim é difícil, a sala está quase sempre esgotada. Minha senhora, se estiver a ler isto, saiba que nesse momento senti vontade de saltar da cadeira e lhe espetar duas chapadas bem dadas. Mas a Cucha Cavalheiro foi muito mais inteligente do que eu e respondeu apenas o que eu pensei: Nós estamos a fazer, isto é fazer. Num segundo, passam pela memória todas as produções que fiz a custo de nada, equipas e equipas de pessoas com altos níveis académicos a fazer apenas para que isto não morra, para que arte continue, para que a expressão artística exista independentemente das piores crises económicas, para que uma crise económica não resulte sempre numa matança cultural. 

 

A primeira vez que interpretei uma personagem foi num grupo de teatro amador, há já 18 anos. A última vez que fiz teatro foi em 2013 e ainda não recebi os meus honorários. Teatro, teatro, fazes parte de mim.

 

O que dizer no dia mundial do teatro quando só me apetece falar de cinema, dos prémios sophia, dos júris do ica, de tudo o que se anda a passar nesta área em portugal? É mais fácil falar do que sei, ou do que conheço, pelo menos, um pouco.

  

A cerimónia dos Prémios Sophia foi seguida de um after-party que não era de todo uma festa, mas sim um encontro entre convidados e que permitiu falar sobre assuntos importantes da nossa área. Muitos saíram desiludidos com a falta de strobs e de DJs à altura. Confesso que um pouquinho mais de bebida e comida não fariam mal ao nosso povo, mas a maior satisfação que aquilo me deu foi ver que havia um objectivo de encontro para se conversar, para se debater num espaço próprio (ao invés de o fazer na plateia durante a cerimónia) e que esse objectivo, pelo menos por alguns, estava a ser concretizado. 

 

Perco-me no meu raciocínio ao falar de teatro ou de cinema, perco-me ao falar de interpretação, da importância do objecto artístico. É como se tivesse que resumir todos os meus sentimentos sobre a vida e considerações sobre o mundo num parágrafo e quando conseguir fazer isso, bom, talvez já tenha escalado o everest e visitado os monges tibetanos e tenha encontrado o nirvana, algures, perdido nos meus neurónios. Perco-me na definição de teatro, de cinema, de arte, de actor da mesma forma que me quero perder na definição de amor.

 

©Joanna Correia

#60 ainda dá tempo

 

Produzi este vídeo há três anos atrás. Falei com todos os pais, tirei fotos aos filhos deles, bonitos.

 

Morei um ano em São Paulo e não tenho saudades do Brasil. É um país que não me encanta em demasiados aspectos. Mas, mesmo com todas as suas vicissitudes, há dias em que penso que, no Brasil, em Cuba ou em Portugal, três países que conheço bem, tudo poderia ser muito melhor se o grupo de pessoas que se senta nas cadeiras de pele lustrosa da governação gostassem tanto do país como os que neles votaram; se gostassem mais do país do que deles próprios, enquanto seres individualistas e dotados do mais profundo egoísmo.

 

Ainda assim, com mais de dois milhões de visualizações, são os vídeos de esperança que nós continuamos a preferir:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se o vídeo não abrir, aqui segue o link:

- https://vimeo.com/78245147 - 

 

#49 o meu post dava uma reportagem - errata RTP

 

Alguns dizem "a minha vida dava um livro". Hoje digo "o meu post dava uma reportagem". E deu! Aqui.

Não consigo, contudo, completar a sensação de dever cumprido se não clarificar este assunto:

 

A RTP contactou-me para fazer uma reportagem depois de terem lido o meu post no blog. O tema interessou-os e ainda bem. Fui entrevistada na qualidade de blogger, falei sobre o Miliuma, os meus objectivos com o blog, o post em si, dei as minhas dicas sobre o assunto das burlas nos arrendamentos. Tenho respeito e carinho pela jornalista que fez a reportagem e já a informei da minha sincera opinião sobre a reportagem, opinião que ela compreende. Fui informada pela mesma que a peça foi cortada para caber no Telejornal e que, nessa edição final, tinham retirado todas essas partes. E cortar é um acto de sensibilidade. Rapidamente, passei a ser a Helena que está à procura de casa. E não é bem assim.

 

Quero, assim, elucidar-vos: não estou à procura de casa para ir morar com o meu namorado, eu vivo actualmente com o meu companheiro, procuro casa há muito tempo e continuarei a procurar durante uns anos, até encontrar "o" lugar. Não fui vítima de burla de arrendamentos e a única razão pela qual fui entrevistada é porque o meu post deu origem à reportagem, ainda que isso não tenha aparecido no corte final. Lamento que o mesmo não tenha sido identificado, nem o meu sobrenome, nem eu como autora. Fica aqui, para quem ler. E ficam os conselhos e o alerta, que no meio de tudo isto, é o mais importante.

 

Obrigada.

 

#48 somos todos refugiados

 

Somos todos qualquer coisa todos os dias. Somos Charlie, somos Paris, somos Orlando, somos Iraque. Somos Iraque? Não tenho visto muitos #jesuisiraque, ainda que Iraque tenha passado por uma terrível desgraça recentemente. Ainda bem que somos todos isso tudo, não pensem que vou insinuar que somos todos movidos de uma hipocrisia constante e que é muito lindo colocar hashtags recostados no novo sofá com chaise-longue do ikea. Bom, não sei como é nas vossas casa, mas na minha - e na dos meus pais, enquanto crescia - sempre ajudámos à nossa maneira. Não vos maço com histórias bonitas e nostálgicas, hoje não é o dia.

 

No ano passado, o meu mais-que-tudo editou a revista da PAR, movido a suor e a essa vontade de minimizar a dor alheia, as injustiças, as disparidades. Foi aí que comecei a seguir o trabalho da Plataforma de Apoio aos Refugiados, fundado por associações da sociedade civil portuguesa que, antes que atirem pedras, também se dedicam a ajudar os nossos. Podia ser melhor que isto? Não, é mesmo uma plataforma muito bem criada e com excelentes iniciativas.

 

Sendo o cinema a minha praia, não podia deixar passar ao lado a mais recente parceria: 

"Ou Todos Ou Nenhum", uma história otimista sobre o sucesso da integração de uma família de refugiados, chega às salas de cinema no dia 7 de julho e uma percentagem das vendas de bilheteira reverterá a favor da missão PAR Linha da Frente@Grécia, um programa de voluntariado para apoio aos refugiados que chegam à Grécia, nomeadamente à ilha de Lesbos e a Atenas.

 

Win-win, estamos a ajudar enquanto ganhamos em cultura, em conhecimento e no lazer. Vi o trailer e fiquei convencida! Quem quer vir ao cinema?

 

© Reza Adama Pictures

 

E ainda: para que os franceses gostem um bocadinho mais de nós, uma rapariga antipática dos seus trinta e tal anos perguntou-me se eu sabia onde era o hostal "xis", procurei no google do telemóvel, acompanhei-a durante um quilómetro debaixo do sol da hora do almoço e ajudei-a com as malas. No fim, disse-lhe que ia voltar para trás porque ela me tinha apanhado à porta de casa. A francesa, que tinha passado o caminho todo a reclamar com Portugal e a vida, desfez-se em agradecimentos e ficou a sorrir. Ligeiramente. Vá lá.