Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MILIUMA

insónias | ideias | publicações

MILIUMA

#77 tudo sobre a ilha do sal - parte 3 e última

 

Hoje termino esta viagem de três posts sobre a nossa viagem à Ilha do Sal (redundância, ou meta-viagem? fica a questão).

PARTE 2

PARTE 1

 

Parece que ainda ontem voltámos, está a ser difícil habituar-me a este inverno e céu cinzento. E hoje jantaria um bucho de atum no Barracuda com todo o prazer.

Para que estas memórias me sirvam de mais que uma fatia de histórias para contar e uma vivência a dois, partilho convosco dicas para que estejam mais informados na altura de marcar e de viajar - e comigo própria, para uma viagem futura a Cabo Verde que, mais tarde ou mais cedo, terá de acontecer.

 

 

Dica nº 6 – Ir ao Relax comer Cachupa lá pras 10h30, 11 da manhã. Imaginem que é um Brunch, pronto. Sobre a cachupa, ao que parece, esta não é assim tão simples de preparar. Há a rica e há a pobre, a rica com diversas carnes e a pobre com peixe, devido à abundância de peixe na ilha. Convenhamos que é tudo relativo, porque em Portugal uma Cachupa com um bom peixinho pode sair muito mais cara. Ainda assim, deixo-vos um link para uma receita que me pareceu muito boa e semelhante à que nos descreveram na Ilha do Sal:

 

 

#75 tudo sobre a ilha do sal - parte 1

 

“Já chegámos ao hotel. Está aquele bafo húmido e tropical, estamos no paraíso.” – esta foi a primeira mensagem que enviei ao meu pai, por volta das três horas da manhã. Eu, com saudades de Cuba, ele com saudades da Indonésia, descemos as escadas do avião de mão dada e o sorriso rasgou assim que sentimos o calor a colar na pele, ao mesmo tempo que expirávamos de alívio por voltar à tropicalidade do planeta. Não fomos feitos para o frio.

 

Um par de anos se passou desde que começámos a pensar em viajar para Cabo Verde. Foram mais de dois anos de cursos, empregos e projectos para ambos, com uma dificuldade em conciliar as férias merecidas. A expectativa era proporcional à espera. Nas únicas datas que tínhamos disponíveis, as opções eram poucas e acabámos por optar pela Ilha do Sal e o Hotel Oásis Belorizonte.

 

Não quero alongar-me na introdução, pelo que seguem neste post todas as considerações que considero úteis, para quem me leia e mesmo para mim, num futuro regresso ao SAL. Só não são miliuma porque nunca mais daqui sairíamos.

 

 

 

#74 o pequeno trump português

 

Alto, de poupa, empinava a barriga gorda no seu polo Lacoste comprado na feira a par de um sorriso levantado no canto direito dos lábios com a sobrancelha a combinar, também direita e também levantada. Ar de sabichão, não conseguia aguentar minutos sem mandar a bela da piadola e rir-se da mesma, incentivando os outros a fazerem o mesmo. Para uma garota ingénua, seria um velho engraçado. Para uma mulher ou qualquer homem atento de mínima formação ou educação, o dito cujo era só mais um pequeno Trump português: tresandava a machismo, racismo e homofobia.