Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MILIUMA

insónias | ideias | publicações

MILIUMA

#49 o meu post dava uma reportagem - errata RTP

 

Alguns dizem "a minha vida dava um livro". Hoje digo "o meu post dava uma reportagem". E deu! Aqui.

Não consigo, contudo, completar a sensação de dever cumprido se não clarificar este assunto:

 

A RTP contactou-me para fazer uma reportagem depois de terem lido o meu post no blog. O tema interessou-os e ainda bem. Fui entrevistada na qualidade de blogger, falei sobre o Miliuma, os meus objectivos com o blog, o post em si, dei as minhas dicas sobre o assunto das burlas nos arrendamentos. Tenho respeito e carinho pela jornalista que fez a reportagem e já a informei da minha sincera opinião sobre a reportagem, opinião que ela compreende. Fui informada pela mesma que a peça foi cortada para caber no Telejornal e que, nessa edição final, tinham retirado todas essas partes. E cortar é um acto de sensibilidade. Rapidamente, passei a ser a Helena que está à procura de casa. E não é bem assim.

 

Quero, assim, elucidar-vos: não estou à procura de casa para ir morar com o meu namorado, eu vivo actualmente com o meu companheiro, procuro casa há muito tempo e continuarei a procurar durante uns anos, até encontrar "o" lugar. Não fui vítima de burla de arrendamentos e a única razão pela qual fui entrevistada é porque o meu post deu origem à reportagem, ainda que isso não tenha aparecido no corte final. Lamento que o mesmo não tenha sido identificado, nem o meu sobrenome, nem eu como autora. Fica aqui, para quem ler. E ficam os conselhos e o alerta, que no meio de tudo isto, é o mais importante.

 

Obrigada.

 

#30 chegou o calor

 

Começo a segunda com esta sensação de que é quinta, cinco da tarde, e ainda falta tanto para fazer e tenho tao pouco tempo até ao fim de semana, em que quase me obrigo a não trabalhar, em que exerço o poder de ser patroa de mim própria e me mando para casa, vai helena, está na altura de descansares. E eu, que divido o cargo de gerência com o de faz-tudo lá do sítio, vou para casa, transportando-me da mesa para a chaise longue do sofá, onde não dá jeito nenhum usar o computador, e passo dois dias a alternar entre trabalhar um bocadinho às escondidas e fingir que descanso enquanto penso em todas as coisas que ainda tenho para fazer, que aposto que esta segunda-feira vai começar e me vai parecer que é quinta. Durmo até mais tarde na segunda porque posso, não porque tenha sono, afinal passei o domingo na chaise-longue, mas porque tem de haver alguma vantagem nisto de trabalhar por conta-própria. Por falar em trabalhar por conta-própria, hoje foi diferente, hoje acordei a pensar no IRS. Vivam as segundas-feiras, viva Maio, viva o dia do trabalhador!

 

© Fabrice Pinto

 

O texto poderia acabar assim, com a aparente amargura do início da semana. Trata-se exactamente do oposto. Os dias correm, o IRS faz-se, o dinheiro esgota-se e o sorriso continua, enquanto houver esta luz de fim de quinta-feira na Avenida a iluminar-me. Obrigada Sr Fotógrafo, bela cápsula de memória.