Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Miliuma

insónias | ideias | publicações

#133 tenho amigas homossexuais

 

Tenho amigas homossexuais.

Tenho amigas homossexuais que estão tristes.

Tenho amigas homossexuais que estão tristes porque não encontram uma pessoa para amar agora, neste momento.

Tenho amigas homossexuais que estão tristes porque não encontram uma pessoa para amar agora, neste momento, devido à impaciência, egocentrismo e falta de tempo para cultivar relacionamentos e cuidá-los como a uma flor, que hoje afectam tanta gente.

 

Tenho amigos heterossexuais.

Tenho amigos heterossexuais.

Tenho amigos heterossexuais que estão tristes.

Tenho amigos heterossexuais que estão tristes porque não encontram uma pessoa para amar agora, neste momento.

Tenho amigos heterossexuais que estão tristes porque não encontram uma pessoa para amar agora, neste momento, devido à impaciência, egocentrismo e falta de tempo para cultivar relacionamentos e cuidá-los como a uma flor, que hoje afectam tanta gente.

 

Tenho amigos.

Eles são meus amigos e eu sou deles. E, numa esfera especial, amamo-nos.

Como podem, então, haver tantas e tantas e tantas pessoas a defenderem a anomalia, o preconceito e, pior, a fazerem de nojo bandeira, a usarem a religião como desculpa para não verem que tudo, absolutamente tudo, é uma questão de amor?

we are all the same.jpg

 

“No one is born hating another person because of the color of his skin, or his background, or his religion. People must learn to hate, and if they can learn to hate, they can be taught to love, for love comes more naturally to the human heart than its opposite.” Nelson Mandela

 

 

#132 adeus, misericórdia

las-vegas-lisboa-miliuma.jpg

 

Do alto da escadas da Igreja de São Roque, dois jovens portugueses projectavam a voz enquanto falavam em inglês para um grupo de, pelo menos, quarenta e cinco pessoas. Vínhamos do Príncipe Real, eu e duas amigas. Quando dobrámos a esquina do Largo do Cauteleiro, como muita gente lhe chama, e vi estes dois rapazes a falarem para o público atento, disse-lhes, secretamente orgulhosa da minha área, que queria parar ali para assistir, que devia ser uma performance artística, tão bom. E parei, parámos. “And now we’re gonna drink in at least fifteen more bars and pubs, all night long.” Abri a boca e soltei um altíssimo: o quê?! Aquele grande grupo de estrangeiros, atento e ordenado, estava pronto, à meia noite, para iniciar uma viagem regada a álcool pela cidade, em comitiva, qual rebanho maciço. Não havia artisticidade nenhuma nisto. As minhas amigas riram-se da minha reacção que parecia exagerada. Eu, num misto de choque e tristeza, virei costas ao grupo e olhei o resto da rua da Misericórdia, ao fim de uns meses sem lá passar de noite, olhei com atenção, colada no mesmo quadrado de calçada portuguesa escorregadia.

 

 

#131 costa alentejana e vicentina IV

 

Capítulos anteriores:

Costa Alentejana e Vicentina - parte I

Costa Alentejana e Vicentina - parte II

Costa Alentejana e Vicentina - parte III

 

milfontes-miliuma.jpg

 

A Herdade da Matinha teve direito a uma promessa de regresso. Deixando a Herdade, o primeiro destino foi a Praia do Malhão. Apaixonante e assustadora. O mar, de bandeira amarela hasteada, enrolava uma onda sobre outra onda sobre outra onda e não permitia respirar. Pedras bicudas escondiam-se enquanto a maré enchia, deixando-me imediatamente em alerta, atenta a cada veraneante que decidia mergulhar nas áreas das pedras sem as saber ali. Contudo, apesar do necessário cuidado com o mar, não se pode descer a Costa Vicentina sem visitar o Malhão. 

 

 

 

 

 

#130 gula - ep.11

 

Este será provalmente o post mais pequeno que já escrevi. Mas não há problema, é um keep it simple mais que justo.

A atualização sobre este maravilhoso espaço virá em breve, certamente.

 

Bulgur. Sim, eu, a fã do bife tártaro e dos magrets de pato, pedi bulgur e comi das refeições mais deliciosas do ano.

Simples, barato, bem servido, bem frequentado. A Sagrada Família tem mais uma fã, ateia e carnívora.

Tenho a dizer que: o Bulgur vinha enfeitiçado, pois desde então não páro de pesquisar sobre comida vegetariana.

Bulgur, vou ter voltar para ti, querido. 

 

sagrada familia alfama miliuma.jpg

 ©lifecooler.com

 

Água na boca?

Aprendam a cozinhar bulgur aqui!

 

Sagrada Família Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

#129 costa alentejana e vicentina III

Capítulos anteriores:

Costa Alentejana e Vicentina - parte I

Costa Alentejana e Vicentina - parte II

 

herdade-da-matinha-helena-canhoto-miliuma.jpg

 

Chegamos ao Cercal do Alentejo e num instante nos aparecem as placas para a Herdade da Matinha. Atenção à estrada, depois de entrarmos na herdade e até chegar às casas (são dois edifícios), vai um caminho louco que não gosta de carros rebaixados ou aceleras. Passamos por cavalos e lembramo-nos da nossa experiência no Oeste, têm sido viagens repletas de coisas boas, realmente. E a Matinha, carinhosamente tratada, foi surpreendente e das melhores experiências deste ano. Estacionado o carro, uma ponte até à casa-mãe, onde fica a recepção.

 

#128 costa alentejana e vicentina II

 

troia.miliuma.jpg

Capítulo anterior: costa alentejana e vicentina I

 

O ferry parte daqui a uns minutos. Que sorte, pensámos. Comprámos dois cartões lisboa viva e seguimos viagem. (Pelos vistos, é possível levar cartões lisboa viva pré-carregados.) Enquanto esperávamos, ciganos simpáticos diziam: não têm medo de ciganos, pois não? Então levem lá estes óculos a vinteurinhos. A polícia uns passos à frente e a vontade era perguntar, a um dos dois, ou ciganos ou polícia, como é que isto acontecia.

 

 

#127 gula - ep.10

saldanhamiliumachevere.jpg

 

Tinha cinco compromissos neste dia. Nos dias à volta, quase nenhum. Lei da atração, pode dizer-se, se a dilatarmos a tanto. Um dos compromissos era a festa de aniversário do Chévere, no Saldanha. O primeiro aniversário, com festa e música e apresentação da nova carta, convite do Zomato Gold a todos os seus aderentes.

 

 

#126 costa alentejana e vicentina I

 

setuballuisatodi.jpg

 

Mudou de emprego e teve menos de uma semana de pausa entre um e outro. Eu corri a bloquear esses dias para me poder escapar daqui. Não convinha voar para lado nenhum, íamos perder horas em aeroportos e viagens e o importante, o realmente importante, era estarmos juntos e fora de casa, num lugar qualquer que não fosse nosso, onde pudéssemos respirar. Antes, há uns tempos ou talvez apenas antes desta viagem, pensava que só sentiria férias se passasse a fronteira e recebesse a mensagem com a tarifa do roaming. Acabou-se o roaming e, com ele, acabou-se o meu preconceito - fui conhecer a costa alentejana.

 

 

#125 tráfico humano e escravidão sexual em 2017

gnmpwils2lpf9ykmnoec.jpg

 

Eu tenho uma amiga chamada Christina. Começou por ser minha professora de improvisação e, na altura, não tínhamos uma química especial. No fim do curso em Nova Iorque, deu-me A+, o único A+ da minha pauta. Um ano depois, encontrei-a em Los Angeles e tornámo-nos amigas. Ela, na altura com quarenta e nove anos, parecia uma garota de vinte e cinco. As duas partilhámos uma história de tragédia pessoal, tornámo-nos confidentes e ainda hoje nos correspondemos. Filha da vencedora do Óscar de Melhor Atriz Secundária Olympia Dukakis e do brilhante Louis Zorich, a Christina nunca teve a vida feita por ser filha de quem é. Ela é, aliás, um furacão e quem a conhece que o confirme.

 

#124 gula - ep.9

 Japão, anseio-te.

 

ataribabymiliuma.jpg

 

Aparte sobre viagens:

Ontem jantei com uma amiga que esteve duas vezes no Japão, recentemente. Falámos sobre tudo menos sobre isso, um disparate. Tenho quinhentas perguntas (quase literalmente), uma vontade enorme de embarcar já para a semana e levar comigo uma câmara, um smartphone e um bloco de notas, para registar tudo. É muito dinheiro, há-que saber gerir a visita. Prometo, portanto, partilhar todas as dicas, seja antes ou depois de um dia lá colocar o pé.