Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Miliuma

insónias | ideias | publicações

#74 o pequeno trump português

 

Alto, de poupa, empinava a barriga gorda no seu polo Lacoste comprado na feira a par de um sorriso levantado no canto direito dos lábios com a sobrancelha a combinar, também direita e também levantada. Ar de sabichão, não conseguia aguentar minutos sem mandar a bela da piadola e rir-se da mesma, incentivando os outros a fazerem o mesmo. Para uma garota ingénua, seria um velho engraçado. Para uma mulher ou qualquer homem atento de mínima formação ou educação, o dito cujo era só mais um pequeno Trump português: tresandava a machismo, racismo e homofobia.

 

 

No voo de Lisboa para a Ilha do Sal, veio atrás de nós no avião. Bêbado, conversava alto e atirava postas de pescada ao ar a ver quem apanhava e lhe dava trela, mantendo sempre as suas opiniões redutoras e instituindo leis em monólogos que só a ele interessava ouvir. Eu olhava para trás e assassinava com as pupilas os intervenientes. Ele olhava de volta e ria, em tom provocatório, como um miúdo mal-comportado que desafia os professores. Este pequeno Trump português acredita, aliás, que é visto como um miúdo pelas outras mulheres. Ou finge que acredita. No alto dos seus completos 70 anos, o inseguro infantilóide só queria chamar à atenção, de preferência, de todos no avião. Para nossa pouca sorte, ficou no nosso hotel e regressou connosco para Portugal. Não nos dirigiu um único sorriso toda a viagem, percebeu (vá lá) que sentimos repulsa por tudo o que ele representa.

 

Estava sentada a poucos metros da criatura quando soube que o Trump tinha ganho as eleições. Olhei para o tipo e senti esse desprezo a apoderar-se de mim. Imaginei as viagens que já terá feito a África – quem sabe se também na guerra colonial – acompanhado da sua tentativa de superioridade, da sua misoginia e do seu racismo, contando histórias da Casa dos Segredos como se fossem suas e como se fossem boas.

 

© philly.com

 

Chegamos a Portugal e a realidade regressa connosco. Ainda não acredito que o Donald Trump foi eleito Presidente dos Estados Unidos da América. A todos os que acham que isso não será assim tão impactante a nível mundial, pensem segunda vez. O retrocesso na luta pela igualdade e pela paz começou. Um resto de bom dia.

 

 

1 comentário

comentar publicação