Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Miliuma

insónias | ideias | publicações

#64 a boa da reversibilidade

 

Os meus últimos meses têm sido preenchidos com imenso trabalho como actriz, desde novelas a séries e publicidades. À parte das locuções, que me escondem as caretas por trás de um vidro espesso e uma porta pesada, a preocupação com a imagem e com o corpo é uma necessidade. O corpo é a nossa ferramenta de trabalho, o nosso veículo de comunicação, MacLuhanamente falando.  Assim, tenho de fazer as pazes com ele. Se seguem o blogue, o meu Facebook e/ou o meu Instagram, sabem que isso tem sido um processo; também saberão que a partir de hoje é a reentré aqui deste cantinho esquizofrénico chamado Miliuma e que tentarei partilhar o máximo que vos for útil e interessante nesta jornada.

 

A propósito do corpo e da profissão, perguntam-me sempre se tenho tatuagens. Bom, mais ou menos. Tive, feita sem pensar nas consequências, na altivez dos meus dezoito anos e com um desenho tosco na mão que foi, para piorar, desenhado por um tosco ainda mais tosco que tinha aprendido a desenhar na semana anterior (espero eu, caso contrário não há justificação para tamanho disparate que ele prali fez!). Passei anos a rejeitar a existência daquela mancha na pele e outros tantos a escolher desenhos lindíssimos para cobrir a asneira. Falei com dermatologistas, com o meu pai - meu médico e meu melhor conselheiro - com tatuadores e com o google. Depois de muito ponderar, decidi tomar uma decisão consciente que fizesse contraste à inconsciência do passado e remover a tatuagem.

Escrevo-vos a umas horas da sexta sessão de remoção, com uma mancha quase desaparecida. E escrevo para vos elucidar o melhor que conseguir sobre este tema, bem como partilhar a experiência e alguns dados da minha pesquisa.

 

 

É importante referir que, ao contrário do que noticiavam recentemente numa qualquer publicação sobre a abertura da primeira clínica de remoção de tatuagens em Portugal, há clínicas certificadas e com um feedback de excelência infalível a existir há mais de dezanove anos no país. Aconselho, naturalmente, a clínica de remoção de tatuagens Tattoo Clinic, onde me encontro a remover a minha tatuagem, visto que só tenho boas coisas a dizer sobre eles. Diferenciam-se das restantes clinicas do mercado, não só pela vasta experiência em remoção de tatuagens, mas também por disponibilizarem vários equipamentos lasers de eliminação de tatuagens que vão sendo utilizados consoante os casos e as etapas, com tempo, calma e profissionalismo, para uma remoção de tatuagens eficaz e segura, sem marcas.

 

Mais: Não, não se removem tatuagens em uma ou duas sessões, como algumas pessoas dizem, enquanto bebem a sua bica e passam displicentemente para outro assunto. A menos que queiram acabar no serviço de queimados do Hospital de São José.

 

O diagnóstico é tão importante quanto o tratamento. É preciso que haja pessoas com grande experiência a remover tatuagens, que conheçam as tintas e saibam identificar a profundidade com que o desenho foi feito, para criar um plano ideal para cada situação. Estamos a falar de saúde, do nosso corpo. Cada caso é um caso. A nossa pele reage de forma diferente tanto à tatuagem como à remoção. Sou, aliás, um bom exemplo a dar. Tenho uma pele extremamente reactiva, que durante quase doze anos inchava na zona da tatuagem e criava bolhinhas de tempos a tempos. Hoje, tenho essa zona totalmente lisa, apenas com o resto da tinta e como se nunca tivesse feito ali nenhuma intervenção. Na clínica onde faço a remoção há quatro tipos de laser diferentes que vão sendo utilizados consoante os casos e as etapas, com tempo, calma e profissionalismo, para não magoar ninguém.

 

Como filha de médico (aposto que muitas outras filhos de pais médicos se identificarão com isto), sempre padeci de um receio crónico de ir a clínicas estéticas ou de ser atendida por profissionais que não da área da medicina. No que toca ao meu corpo, percebi que o ideal é combinar os dois: encontrar um espaço de confiança com médicos que o certifiquem e que forneçam apoio no caso de variações raras e ser acompanhada por pessoas que sabem exactamente o que estão a fazer e que estudaram para isso. Easy. Se houver simpatia à mistura, melhor ainda. (Esta é a minha escolha para a remoção da tatuagem, como é a minha escolha para os meus tratamentos estéticos na Clínica Médica e Estética Cute, que já aconselhei a tanta gente e para os quais vou voltar em breve, a par do exercício no Rapid e da dieta da Ni. Se é para fazer o esforço, é para fazê-lo com quem sabe tratar de mim e do meu tempo precioso!)

 

Assim sendo, caríssimos, escrevo-vos com quase seis sessões no bolso e por experiência própria. Na Tattoo Clinic já me conhecem ( a mim e a todos os clientes ) - se precisarem de aconselhamento, ajuda ou orientação, contactem-me por comentário ou por email e eu reencaminho-vos. Espero ter ajudado.

 

© Fab Ciraolo

 

Não me interpretem mal, gosto cada vez mais de tatuagens. Mas também tenho mais bom gosto, espero. :) E pelo menos agora sabemos que há mais uma coisa que não é para sempre.