Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Miliuma

insónias | ideias | publicações

#57 somos o que comemos

 

À porta do Miss Jappa, no Príncipe Real, falava com uma portuguesa, uma brasileira e um espanhol sobre comida, enquanto esperávamos a nossa mesa. Referi que a minha alimentação se alterou para melhor nos últimos tempos. Desde que fiz trinta muito se alterou para melhor. Desde que tenho o blog, também. Escrever ajuda a organizar o pensamento.

Actualmente, em casa, consumo a maioria dos meus alimentos através destas três opções:

cabazes biológicos de entrega ao domicílio, mercados biológicos ou cultivo interior.

 

1 - Cabazes biológicos de entrega ao domicílio

Há sites, uns mais bonitos que outros, que nos deixam escolher que alimentos queremos colocar na nossa caixinha semanal (ou mensal ou até pontual) e receber com um sorriso em casa. São frutos e vegetais da época, cultivados em agricultura sustentável, entregues ao domicílio directamente pelo produtor. Não passam por cadeias de distribuição, não encarecem cinquenta vezes, não apanham porcaria do mercado abastecedor, não são produzidos em estufas cheias de químicos nem são importados (salvo raras excepções invariavelmente mencionadas nos sites). Não são maçãs para capas de revista. É fruta com ar verdadeiro, são alfaces que cheiram a alface desde o corredor do prédio, quando abrimos a porta ao senhor das entregas.

 

Quinta do Arneiro

Quinta da Pedra Branca

Prove

Mercado Saloio

Belong

Pede Salsa

Horta à Porta

Bioino

Quental Biológico

Quintinha

 

© fruverymas.com

 

 

2 - Mercados biológicos

Tenho dois favoritos, o Brio ganhou-me o coração quando morava no Chiado e era o meu supermercado de eleição. Toda a gente dizia que era caro, mas comparem os preços com os minimercados da freguesia e surpreendam-se. Mais recentemente, porque já não moro no coraçãozinho de Lisboa e circulo mais de carro por estes lados do eixo central, o BioMercado veio conquistar-me pela qualidade, pelo restaurante, pela simpatia infinita dos funcionários e pelo estacionamento gratuito em plena Duque D’Ávila. Um sincero pedido de desculpas a quem não for de (ou morar em) Lisboa e não perceber patavina das minhas referências geográficas. Não estão, contudo, esquecidos os respectivos links:

 

Brio

Biomercado

Fruta Feia

Villa Bio

O Berdinho

Dona Horta

Biobrassica

E ainda:

Feira de Produtos de Agricultura Biológica no Núcleo Rural do Parque da Cidade (Porto)

Mercado Bio de Matosinhos, nos Jardins Basílio Teles

Agrobio Pontos de Venda

 

© Ikea.com

 

3 - Cultivo interior

Com um companheiro Chef de cozinha, manjericões do supermercado a morrerem semanalmente apesar de todos os esforços em contrário, uns queridos pais com jardim no porto que há já anos cultivam pimentos padrón, coentros, alecrim e coisas que tal e, ainda, uma predilecção especial por ervas aromáticas, comecei a plantar coisinhas em casa em pequenos vasinhos e a aprofundar as técnicas de cultivo. Hoje, num terceiro andar, tenho as mais variadas ervas e flores, couves e alfaces crescidas e até morangos prontos para se juntarem à família.

 

Click & Grow

Minigarden

Jardinagem Interior no IKEA

Life in a Bag

 

Com tantas opções, já não há desculpa para comprar alho francês de plástico ou alfaces a saber a guardanapo. Somos assim agentes activos na melhoria ambiental e passamos a consumir coisas boas e saborosas. Há lá melhor?