Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Miliuma

insónias | ideias | publicações

#52 como mudar de casa pode melhorar a nossa vida

 

A F. propôs-me escrever um artigo comigo sobre um tema que, apesar de toda a confusão recente com a reportagem da RTP, me interessa particularmente. Eu, que preciso de paz, calma e harmonia como contraponto de todas as personagens que vivem no meu cérebro: as que interpreto, as que leio, as que crio. 

 

Há inúmeros motivos para mudarmos de casa. Porque vamos casar ou juntar os trapinhos com alguém, porque vamos trabalhar para outra cidade, porque a família vai aumentar e precisa de mais uma divisão para o bebé, porque temos vontade de mudar para melhor. Tudo coisas boas, portanto. Não vou aqui enumerar os piores motivos possíveis, que também são válidos. O assunto é, precisamente, os impactos positivos que uma mudança pode trazer às nossas vidas.

© Christopher Harris 

 

Mudar de casa = balanço da vida

A experiência da mudança não passa apenas por arrumar panelas, móveis e roupas, mas também por arrumar as nossas memórias e lembranças, abraçando o futuro que temos pela frente com os nossos sonhos e previsões. De fato, ao escolhermos o que vamos levar para a nova fase da nossa vida, e o que deixamos definitivamente para trás, estamos também a escolher o que vamos querer que a nova vida nos traga. Mesmo que não seja intencional, este processo de seleção natural acaba por ser automático e ajuda-nos a entender o que é realmente necessário ou não para a nossa vida. Há uns tempos, vi uma reportagem em que uma mulher que depois de anos de consumismo exacerbado e aditivo, testemunhou que “less is more”. E tantas vezes é. Senti-me leve ao vê-la sentada num sofá branco, com os filhos ao lado, a dizer isso com uma expressão facial de quem encontrou paz.

© Bench Accounting

 

Mudar de casa = criar novos hábitos e manter apenas o que faz bem

É assoberbante a quantidade de coisas desnecessárias que guardamos sem nos apercebermos e como esses objetos se evidenciam aos nossos olhos quando estamos a fazer uma mudança. “Porque é que eu guardei isto?” pode ser uma das perguntas mais frequentes quando se trata de fazer uma mudança!

Por isso, uma mudança é um excelente momento para nos livrarmos do que não precisamos. E quem sabe até fazemos alguém feliz? Porque o que não é útil para nós pode ser muito importante para outra pessoa. Por isso, toca a doar! Essa “limpeza” faz muito bem. Aliás, devíamos fazê-la de vez em quando, reorganizando a nossa casa periodicamente, pois até ser mais fácil manter a casa organizada quando apenas temos o que nos é útil.

© Jeremy Cai

 

Faça um pequeno exercício. Pare uns minutos e observe o que realmente precisa no ambiente onde se encontra. Depois pense nas outras divisões e, por último, vá pensando nos hábitos necessários e que são bons para a sua vida. Descarte ou doe o que não tem qualquer funcionalidade para si e fique mais leve!

 

Mudar de casa + a ajuda de profissionais

Queria apenas deixar aqui uma ressalva para que a mudança seja um processo prazeroso e não uma real dor de cabeça! Se quiser garantir que tudo corre bem e com alguma tranquilidade, o ideal é contratar empresas de mudanças. Se preferir pode transportar algumas coisas fáceis e pessoais, como roupas, livros, eletrodomésticos, etc. Assim sempre poupa alguns trocos. No entanto, transportar por conta própria móveis grandes e outros que precisam de ser desmontados, sofás, espelhos, etc. acaba por ser uma loucura! Ah, e se por fim conseguirmos deixar o resto para associações como APAV, Crinabel ou a Reto à Esperança, o ciclo fecha-se com perfeição. O brilho nos olhos e os agradecimentos de quem me veio tão pronta e simpaticamente buscar móveis na última mudança ficará para sempre alojado nos meus. Só coisas boas.