Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MILIUMA

insónias | ideias | publicações

MILIUMA

#3 como escolher um nome de um blog

ou como chateei várias pessoas que tenho em altíssima conta e tive de parar antes que elas desistissem da nossa amizade.
 

 

Quando conto as minhas histórias, muitos me dizem: devias escrever isso! Ora, na tal epifania dos trinta + passagem do ano para 2016, decidi-me então a passar uma série de coisas para papel ou, neste caso, a web. Juntei uma data de amigos (jornalistas, escritores, bloggers, directores criativos, gestores de redes sociais, por aí fora) num grupo de facebook e comecei a pedir-lhe opiniões para nomes.

 

A R. disse logo canhoto por linhas tortas e confesso que foi o nome que quase aguentou até ao fim. Daí, muitos foram surgindo, com base no meu objectivo: escrever sobre uma boa quantidade de coisas, sobre o que me surgir, como uma conversa (quase) sincera com quem quer que seja que lhe interesse ler sobre a e coisas d'a canhoto.

 

Havia um problema, e agora vem a moral da história: nenhum dos nomes me convenciam porque não eram meus, eram os meus favoritos de sugestões dos outros, que me aturaram com cara desconfiada durante semanas, até ganhar coragem para dizer não é nada disto que eu quero.

 

Resolução do problema e capítulo final: reuni com o João Amaral, o designer. Pediu-me para descrever o conceito. Expliquei-lhe que desde criança sempre tive insónias e escrevia na minha cabeça textos enormes, com vírgulas e parágrafos. Posts sem saber o que eram posts. Que nessas mil e uma noites de insónias me surgiam mil e uma ideias e que o blog era, na verdade, sobre mil e uma coisas. Calei-me. Miliuma. Miliuma sou eu. (Porque não fazer miliuma publicações?)

 

 

#2 hashtag - feliz

Completei 30 anos este inverno, no fim de 2015 e foi um princípio diferente, incluiu um balanço de três décadas. Interiorizei novas premissas para os próximos 10 e metas para os próximos 3. E, mais uma vez, deixei os dias passarem, afinal, estávamos quase no Natal e eu estava a gravar uma novela a tempo inteiro. Foi como escrever uma lista a uma segunda-feira e só começar a implementá-la na quinta.

 

Não faz mal, diria o Z. O que importa é começar, realmente.

 

Assim, nas badaladas do ano novo de 2016, bebi o champanhe, comi as passas, dei beijinhos a cerca de 17 pessoas e pensei aos gritos “É agora, [inserir palavrão] !!!” Aqui estou. Numa nova década de vida a começar ciclos e a guardas as memórias em caixas. É fevereiro, está frio, vou calçar umas meias.

 

 © Maria Vasconcelos

 

#1 é carnaval, ninguém leva a mal!

Chegou a época do Carnaval, exclama o Facebook.

 

É meia-noite da noite das máscaras e eu estou em casa dos meus pais, na cama, rodeada dos gadgets a escrever o primeiro post do meu novo blog. Mili Uma não é o estreante, mas essa história não é a de hoje.

 

Hoje, ainda que ocultada pela folia, é a primeira publicação desta aventura. E isso deixa-me cheia de energia e feliz, como se tivesse todo um Carnaval em mim.

 

  Follow my blog with Bloglovin