Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Miliuma

insónias | ideias | publicações

#102 gula - ep.1

 

Só um pecado - o primeiro de muitos episódios.

 

Atualmente é isto, vai-se sabendo por aí que o homem cá da casa se tornou cozinheiro e até para workshops de cozinha me chamam. 

No outro dia, fui a uma espécie de master class de algumas horas com um dos finalistas de um programa de televisão de culinária estrangeiro, The Taste, em que se falou - ou ele falou - de forma meio aleatória sobre comida.

 

@asociedade.pt

 

A verdade é que gostei de quase tudo o que ouvi (e comi) naquela tarde.

Organizadas as minhas notas e traduzidas do inglês, aqui vão os tópicos que mais me interessaram:

 

1 - É boa ideia comermos alimentos não processados e inteiros, de preferência. Comam uma laranja em vez de beber um sumo de laranja natural feito de cinco laranjas. É demasiado para o nosso organismo. Se bebermos dois copos de sumo durante o dia, já ingerimos uma quantidade absurda de fruta. Eu não, que sou a alérgica à laranja, mas dois copos de sumo feitos de 20 morangos cada iam-me saber pela vida e fazer mal de certeza.

 

2 - A nossa dieta deve basear-se em alimentos frescos, orgânicos e sazonais - como os que a Quinta do Arneiro traz cá a casa. É imperativo deixarmos os químicos, os antibióticos e os alimentos geneticamente modificados. Estamos a destruir o nosso corpo.

 

3 - Mantermo-nos fiéis à tradição gastronómica - foi o ponto que achei mais interessante na conversa. E é tão simples perceber porquê: se no Alasca, por exemplo, alguém decidir tornar-se adepto da dieta do vegan rawfood, é capaz de passar um briol descomunal. Era virem de lá os senhores de kispo: bai ser vegan prá tua terra! - que eles têm, de certeza, um sotaque do norte como o meu.

 

4 - Dar ao corpo o que ele quer comer. Se ele pede espargos, assim à moda de desejos de grávida, vamos lá dar espargos. Não venham é com histórias de “mas o meu corpinho pediu três tabletes de chocolate branco”, que essa não pega.

 

5 - Óleo de côco para tudo. Já devem ter ouvido isto mil vezes, aqui veio a miliuma.

 

6 - Muito cuidadinho com os óleos vegetais! Não se sabe muito bem como são refinados e têm muitos componentes desnecessários. Mais uma vez, o truque é olhar para um rótulo e ler 100% de qualquer coisa - como coco.

 

7 - Cozinhar mais com comida naturalmente fermentada, o senhor da master class disse que faz bem à saúde e eu acreditei. Se quiserem saber porquê, este link ajuda:

Benefícios Comida Fermentada

Exemplos: tempeh, miso, kombucha, iogurte, kefir, kimchi. Qualquer dúvida, há disto no Miosótis em São Sebastião ou no BioMercado, na Avenida Duque d’Ávila, os dois em Lisboa.

 

8 - Adeus Molho de Soja, bem-vindo Tamari! Mais um link para saberem as diferenças entre cada um e o porquê de termos de trocar já para Molho Tamari. 

 

9 - Comprar manteiga sem sal, mas sempre manteiga e nada de substitutos falsos.

 

10 - E por fim, os doces: Açúcar de coco, Açúcar de Palma, Melaço de Romã ou Xarope de Bordo ou de Ácer (a.k.a. Maple Syrup) são, em quantidades controladas, a melhor forma de adocicar as coisas. Açúcares refinados, se faz favor, só quando o rei faz anos. 

 

©asociedade.pt 

 

À mesa, juntaram-se pessoas muito diferentes, mas estávamos todos deliciados a comer comida turca, um das origens do Chef alemão que conversava sobre a sua vida e sobre a comida na sua vida. Falava de Nova Iorque, onde estudou no Natural Gourmet Institute for Health & Culinary Arts e não só fiquei com água na boca com este nome, como fiquei com vontade de só comer ingerir coisas boas para o resto da vida.

 

Ao meu lado, uma rapariga simpática de nome Diva. Diva. À moda nova-iorquina, sem a conhecer, convidei-a para ir comer um ceviche depois da aula. Sem preconceitos, respondeu que sim. Comemos, bebemos pisco sour, seguimos ruas opostas. Ela, uma super jovem mulher, bonita, acabada de terminar um relacionamento e pronta para ir fazer as malas e, literalmente, viajar o mundo; eu, a pé para a casa que escolhi, depois de ter regressado de quase cinco anos pelo mundo, a casa que tornei o meu mundo, uma casa cheia de facas, armas brancas de amor afiadas, na qual me sinto segura como nunca antes senti.

 

Porque quis cozinhar para ele, ele quis cozinhar para mim e hoje cozinha para os outros como profissão. De mim aprendeu, dele aprendo. Reciprocidade.